Project Management Institute

A China ressurge com força

Uma recuperação econômica estimula um renascimento do projeto pós-pandemia

A recuperação da China é real — e está acelerando uma explosão de atividades de projetos.

Com o resto do mundo atolado em uma recessão induzida pela pandemia, o PIB da China cresceu 2,3 por cento no ano passado: a única grande economia mundial a terminar o ano no azul, de acordo com o Escritório Nacional de Estatísticas de Beijing.

A recuperação é particularmente notável, dado que a economia da China encolheu 6,8 por cento no primeiro trimestre de 2020 — a primeira contração do país desde que as estatísticas trimestrais do PIB começaram a ser oficialmente monitoradas, em 1992 — quando o vírus emergiu e as viagens e negócios pararam. Desde então, no entanto, a economia da China experimentou uma recuperação em V, terminando o ano com um crescimento de 6,5% no quarto trimestre.

A China está à frente do resto do mundo por causa de uma resposta rápida e forte à COVID-19, disse Stephen Chan, professor de política mundial na Universidade SOAS de Londres. “Mesmo com maiores liberdades econômicas individuais, o estado e o partido têm um papel de comando, então a dissidência contra os lockdowns era impossível”, disse ele. Quando se trata de distanciamento social, “a questão da disciplina — seja imposta ou não — torna-se primordial”.

Começar em vantagem

Depois de encerrar um lockdown estrito e proclamar vitória sobre o vírus em maio de 2020, a China viu seu turismo doméstico, gastos de varejo e exportações aumentarem com a reabertura de escolas, escritórios e empresas. O governo também está assumindo mais dívidas para financiar uma explosão de projetos de infraestrutura, empregando milhões de pessoas para trabalhar nas iniciativas, bem como fabricar os materiais de projeto necessários.

De acordo com o The New York Times, 37 cidades chinesas tiveram iniciativas em andamento em 2020 para construir um total de 150 novas linhas de metrô. O extenso sistema ferroviário de alta velocidade do país está se expandindo tão rapidamente que os líderes de projetos compram três vezes mais bate-estacas por ano do que os mercados europeu e americano combinados. Beijing também está investindo pesadamente na construção de novas vias e sistemas de esgoto em todo o país, empregando milhões de pessoas ao longo do caminho. As equipes também fabricarão os equipamentos necessários para a realização desses projetos.

img

IMAGENS DE CORTESIA DE, A PARTIR DA ESQUERDA, UNIVERSAL STUDIOS, BEIJING 2022 E ZAHA HADID ARCHITECTS

A infraestrutura não é o único setor que está crescendo. Os gastos dos consumidores se recuperaram, ultrapassando os níveis do ano anterior no terceiro trimestre, impulsionados por um aumento de 14,8 por cento nas vendas on-line, à medida que milhões de famílias passaram a comprar mantimentos e roupas pela internet. O Dia dos Solteiros do Alibaba, em particular, gerou um grande impulso econômico, gerando US$ 74,1 bilhões em volume bruto de mercadorias. A equipe do projeto acrescentou mais três dias ao frenesi de compras do ano passado, adaptando a estratégia que as equipes dos EUA aplicam às vendas da Black Friday, para gerar um aumento colossal nas vendas: o evento gerou um aumento recorde de 26% na receita do evento do ano anterior.

Enquanto isso, as exportações aumentaram 3,6 por cento no ano passado, apesar da guerra comercial com os Estados Unidos, à medida que os exportadores chineses conquistaram participação de mercado de outros concorrentes ainda sufocados por restrições do vírus. As exportações de dispositivos médicos dispararam 46 por cento nos primeiros seis meses de 2020, as exportações de têxteis, incluindo máscaras faciais, aumentaram 30 por cento e as exportações de notebooks cresceram 9,1 por cento no mesmo período, refletindo uma mudança global para trabalhar em casa e estudar remotamente.

“Os fabricantes chineses permaneceram muito competitivos em termos de preços e, à medida que as economias em todo o mundo fracassavam, os produtos chineses, independentemente da retórica oficial do governo, permaneceram atraentes”, disse Stephen.

img

— Stephen Chan, Universidade SOAS de Londres

Continue crescendo

O crescimento da China em 2020 significa que sua economia será responsável por 16,8 por cento do PIB global, de acordo com a Moody's Analytics — acima dos 14,2 por cento em 2016. Espera-se que os Estados Unidos respondam por 22,2 por cento, praticamente inalterado em relação aos 22,3 por cento de 2016. Ainda assim, à medida que novas cepas de vírus se infiltram, a China deve considerar a possibilidade de restrições adicionais que podem sufocar a economia.

“Enquanto Beijing parece querer voltar à produção normal, as bases regionais dos partidos tendem a ser mais avessas ao risco”, já que temem ser responsabilizadas pelo aumento das taxas de infecção, disse Austin Williams, professor sênior de arquitetura na Kingston School of Art e autora de dois livros recentes sobre o crescimento urbano da China.

As preocupações com o agravamento das relações com os Estados Unidos foram parte do motivo pelo qual o Fundo Monetário Internacional reduziu sua projeção de crescimento econômico chinês para 2021, um rebaixamento que ressalta os riscos geopolíticos do país e os desafios econômicos globais em curso. Stephen disse que uma longa lista de questões pode pesar na balança, incluindo as atividades navais da China e reivindicações de terras no Mar da China Meridional, sua diplomacia global relacionada a vacinas, apoio financeiro contínuo à Coreia do Norte e guerras comerciais, sem mencionar a agitação nacional entre as populações muçulmanas e estudantes de Hong de Kong.

“A questão é se a demonstração de força internacional da China sobrecarregará até mesmo um aparelho bem organizado e disciplinado”, disse Stephen.

Beijing ininterrupta

A capital da China ilustra como o país superou a pandemia para manter sua ambiciosa atividade de projeto.

◄ PARQUES E RECREAÇÃO

Uma colaboração intensa ajudou a manter o Universal Beijing Resort no ritmo para a inauguração em maio. A construção foi concluída no ano passado, com mais de 100.000 trabalhadores da construção civil, 500 designers e artistas e mais de 500 fornecedores e parceiros internacionais. Composto pelo Universal Studios Beijing, Universal CityWalk Beijing, Universal Studios Grand Hotel e NUO Resort Hotel, o resort está projetado para atrair mais de 10 milhões de visitantes anuais.

img

CORRIDA DO OURO — E MAIS

Manter todos os projetos para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 em Beijing dentro do cronograma tem sido um desafio. Em janeiro, as equipes concluíram a expansão do National Speed Skating Oval, do National Aquatics Center e do National Indoor Stadium. Espera-se que o trabalho na Vila Olímpica de Inverno de 2022 seja concluído até junho, com foco nos benefícios de longo prazo. O complexo está programado para incluir 2.300 leitos para atletas e oficiais. Após as Olimpíadas, a vila se tornará uma habitação pública.

img

DESTAQUE PARA A SUSTENTABILIDADE

A Fase II do Centro Internacional de Exposições de Beijing começou a tomar forma em fevereiro, quando a empresa britânica Zaha Hadid Architects foi escolhida para projetar um espaço de 438.500 metros quadrados, quase do tamanho da Cidade do Vaticano. A equipe contará com uma construção modular para reduzir tempo e custos operacionais. Mas o impacto real é a sustentabilidade: os painéis solares gerarão energia renovável, a nova tecnologia facilitará a coleta da água da chuva e a reciclagem da água de reuso, e a cobertura fornecerá isolamento e absorção sonora.

This material has been reproduced with the permission of the copyright owner. Unauthorized reproduction of this material is strictly prohibited. For permission to reproduce this material, please contact PMI.

Advertisement

Advertisement

Related Content

Advertisement